quinta-feira, 27 de março de 2014

Executiva do PT é recebida pelo secretário de Saúde Sylvio Carlos nesta quinta feira


A reunião entre a Executiva Municipal do PT e o Secretário Municipal de Saúde Dr. Sylvio Carlos de Paula, ocorreu na própria secretaria de saúde na tarde desta quinta feira em Pimenta Bueno.
O presidente do PT, Joaquim Louredo havia solicitado a  reunião  com o secretário  após ter recebido   informações  de insatisfação por parte dos médicos cubanos que atuam no Programa + Médicos  em relação ao tratamento a eles dispensados por parte da Administração Municipal.
O Programa + Médicos do Governo Federal é  executado em parceria com os municípios, cuja contra  partida, inclui repasse por parte da Administração Municipal de R$ 500,00 a 2.500,00 para aluguel de casa, pagamento de água, luz e telefone e de R$ 500,00 a 750,00 para alimentação.

 Um projeto de Lei aprovado pela Câmara Municipal de Pimenta Bueno na ultima segunda feira, prevê um repasse de R$ 1.500,00 aos médicos como contra partida do município. Este valor é cerca de 46% do teto máximo previsto,  em torno de 3.225,00. Sylvio reconhece que o Programa é  vantajoso para o município. Mesmo que decidisse por pagar o teto máximo previsto pelo programa, este custo não chegaria a 30% do valor desembolsado para contratação  de  um profissional do mesmo nível direto pelo município em torno de  9.500,00.  
 Presente a reunião, Marineide apontou outra vantagem do programa em relação a contratação direta pelo município, a garantia da presença desses médicos na rede básica de saúde.  Segundo ela, por pelo menos três anos consecutivos o secretário de saúde não terá que se preocupar com novas contrações de médicos para os postos de saúde supridos pelo programa. 

Após ouvir atentamente  as questões levantadas pela  executiva petista, os representantes da secretaria de saúde  reconheceram que o tratamento dispensado aos médicos, não foi realmente o que eles mereciam receber e nem o que o município gostaria de ter prestado a eles, quando se apresentaram.  Houve muitos desencontros de informação em relação a estadia no hotel  e no restaurante onde fizeram e fazem suas refeições.
Como não havia uma data exata de quando se apresentariam no município, a Secretaria de Saúde segundo Sylvio,  foi pega meio que de surpresa e somente nesta semana conseguiram vencer a burocracia dos processos internos  e aprovar a Lei que permite os repasses.
Quanto aos R$ 1.500,00 que serão repassados aos médicos (as) como contra partida do município para custear aluguel, alimentação, água, luz e telefone, o secretário reconheceu que  é pouco e prometeu que vai tentar encontrar uma forma de corrigir. Com estes valores, eles terão que cozinhar a própria comida, lavar roupas e limpar a casa. Se decidir contratar estes serviços é  provável que faltará dinheiro.
Ficou esclarecida ainda a questão da lotação da Dra. Maria Del Carmo e do Dr. Manoel Borges O secretário garantiu que a Dra. Maria continua no Centro de Saúde Frei silvestre e o Dr. Manoel será lotado no Centro de Saúde Pastor Jonas. Havia boatos sobre a transferência da Dra. Maria para o Pastor Jonas e lotação do Dr. Manoel para trabalhar e morar no Frei silvestre. Silvio afirmou que o apartamento do Dr. Manoel será entregue amanhã e que esta hipótese de trabalhar e morar no Centro de saúde nunca foi cogitada afirmou ele.
O PT aproveitou ainda para esclarecer dúvidas em relação ao Programa de combate a desnutrição infantil, que segundo consta, tem 120 mil reais parados numa conta da saúde em Pimenta Bueno. Marineide explicou que este recurso veio para atender cerca de 70 crianças que estão abaixo do peso e que foram detectadas pelo “SISVAN” – Sistema de Vigilância Alimentar Nutricional em dados colhidos do Programa Bolsa Família. O Problema segundo ela, é que o município não conseguiu localizar essas crianças até agora. Mesmo com esta dificuldade, a secretaria esta providenciando processo para contratação de uma nutricionista que atuará neste programa afirmou ela.

 O PT solicitou informações ainda sobre  um  contrato de 40 horas semanais, celebrado entre o município e um médico neurologista  que segundo informações, não era cumprido pelo profissional contratado. Silvio esclareceu que o contrato foi reduzido para 24 horas a pedido do próprio médico.
Voltando a questão do + Médicos, Joaquim lembrou que os médicos (as), estão chegando de um país diferente, uma cultura e uma realidade diferente, passando por um momento de adapção. Por conta disso, solicitou aos representantes da administração municipal,  uma atenção mais que especial e apoio a estes profissionais, que como o próprio secretário reconheceu, são muito importante para a comunidade e para o município de Pimenta Bueno.   
Participaram da reunião: Dr. Silvio, Marineide e Val pela secretaria de saúde e Joaquim Louredo, professor Zezinho, Maurelio Martin, Adalbeth e Ana Iris pelo PT.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Falta de energia em Pimenta Bueno, Espigão do Oeste e Primavera precisa ser melhor explicado


Desde as 20 horas da ultima terça feira, 18 de março de 2014, as populações de Pimenta Bueno, Espigão do Oeste e Primavera de Rondônia convive com o vai e vem da energia.  A Subestação da Eletrobras em Pimenta Bueno é alimentada por três fontes de energia, Eletroprimavera com capacidade de 18MW, UHE Rondon II, 73,5 MW e Sistema Interligado Nacional  que em Pimenta Bueno conta com uma subestação e disponibilidade de  cerca de 100MW disponíveis em seu barramento.
A interligação entre a Subestação da Eletronorte e a Subestação da  Eletrobras Distribuição Rondônia em Pimenta Bueno foi interrompida entre as 20:00 da  última terça e 20:30 desta quinta feira devido ao rompimento de um cabo  da Linha de Transmissão em tensão 138 kV que interliga as duas subestações . Mas a falta de energia não poderia ter sido evitada?
 Teoricamente, a  falta de conexão com o sistema interligado nacional não deveria ter submetido as populações de Pimenta Bueno, Espigão do Oeste e Primavera de Rondônia   à falta de energia e as constantes quedas de sistemas que ocorreram durante quase todo o dia de ontem e hoje. Como já foi dito, a subestação de Pimenta Bueno  é alimentada por pelo menos três  fontes diferentes de energia e isso deveria garantir o abastecimento sem interrupção e com qualidade mesmo diante de fatos como o registrado aqui.  
Ocorre que não se sabe por quais razões, ao invés de manter no sistema a UHE Rondon II que gera 73,5 MW de energia, a Eletrobras fez opção pela Eletroprimavera que gera apenas 18 MW. As 15:00 de hoje, a carga dos três municípios juntos chegou a 21MW, 3MW a mais que a capacidade de geração da Eletroprimavera. Para suprir esta diferença foi importado cerca de  3MW de Cacoal por meio de uma rede em 34,5KV que fica a cerca de 40 quilômetros de Pimenta Bueno.  
A grande questão é,  por que a Eletrobras optou por manter no sistema  a Eletroprimavera ao invés da Rondon II? A Rondon II como já foi dito, gera quatro vezes mais energia que a Eletroprimavera e três vezes mais do que  a carga dos três municípios penalizados. A opção pela a Eletroprimavera foi técnica ou política?

quarta-feira, 19 de março de 2014

Nóis liberou recursos para comprar 50 ambulâncias

Com estas palavras o Deputado Valdivino Tucura iniciou sua resposta a pergunta de um radialista de Pimenta Bueno que o indagava sobre o atendimento  no Hospital Regional de Cacoal. Ele disse que o atendimento é ótimo e que a compra de cinquenta ambulâncias distribuídas em Pimenta Bueno, São Felipe e outros municípios iria facilitar o acesso das pessoas  a este importante centro de atendimento, será?
 
Mas será que o problema da falta de acesso ao Hospital Regional se resolve com compra de ambulância?
 
Estava ouvindo a propaganda governamental sobre a inauguração de uma policlínica em Porto Velho, que segundo  consta, possui 7 mil metros quadrados de área construída, profissionais e equipamentos de qualidade. O mais importante, não terá filas e quem entrar naquele ambiente  terá atendimento e tratamento de primeiro mundo. Apenas uma observação, ninguém deve se dirigir a POC e nem ligar para marcar consultas, tudo isso será feito em seu município na secretaria de saúde mais próxima de você.
 
É a mesma situação do Hospital Regional, quem conseguir agendar um exame, uma consulta ou internação terá tratamento de primeiro mundo. Lá não tem fila. A fila na verdade fica nos municípios onde se realiza os encaminhamentos e agenda o atendimento. O problema está na falta de vagas ou de transporte?

sábado, 15 de março de 2014

O João saiu e agora?


Estava na fila do banco quando um amigo, não por acaso, avaliava o desempenho da gestão Jean Mendonça. De repente estávamos falando de quem? De João Ligeiro, (até na ultima segunda feira), um dos principais nomes  da equipe do prefeito Jean Mendonça. Foi desse interlocutor  a seguinte observação, “ o João é tão ligeiro que quando você está lhe cumprimentando, ele já está se despedindo”. Parece que ele estava adivinhando, realmente o João Ligeiro estava se despedindo. No inicio desta semana ele deixou a Secretaria Municipal de Planejamento, aonde por algum momento, alguns chegaram a acreditar que ele ditaria o ritmo da Administração. Pra quem tinha pressa, Ligeiro seria uma boa opção, alguém desconfiou que ele poderia fazer tudo e o quanto antes possível. Com a maquina administrativa paralisada e pressão de todos os lados, o mandato terminou para o João antes do tempo previsto.
Por que ele saiu? Uns dizem que foi por vontade própria, outros, por pressão dos aliados e ainda tem os que acham que foi o próprio prefeito que tomou a decisão de reformar a equipe antes que fosse tarde de mais.
Seja por qual motivo for, é provável que tenha sobrado frustração para todos os lados. João Ligeiro era até então a imagem e semelhança da família Mendonça, foi provavelmente, o mais visado da equipe, exatamente por esta aproximação familiar. Sem a sua presença, as cobranças e as pressões do dia-a-dia tende a recair sobre quem realmente deveria recair. Comenta-se, que João coordenava reuniões de trabalho, deliberava com a equipe  e enquanto isso,  o prefeito geralmente ficava no celular, coisa da geração WAT ZAP. Sem a presença de seu principal homem de referencia, a coisa tende a mudar. Para o bem ou para o mal, é provável que a partir de então, o jovem prefeito assuma de fato o seu papel de timoneiro da embarcação que pelo menos até agora, ninguém arrisca dizer para onde vai. Clique no link abaixo para ler: Ligeiro a tartaruga domada pela selva.
http://joaquim13.blogspot.com.br/2013/09/ligeiro-tartaruga-domada-pela-selva.html

Nova esperança para a população atingida por enchente


Finalmente o prefeito Jean Mendonça encaminhou mensagem de Lei Nº 1.669/2014  que autoriza o Poder Executivo Municipal a doar 100 lotes  para o Fundo de Arrendamento Residencial – FAR no loteamento residencial Bela Vista. A doação tem como finalidade o atendimento ao Programa Minha Casa Minha  Vida do Governo Federal. A doação dos terrenos e a construção da via de acesso ao terreno onde serão construídas as 100 moradias, é a parte que cabe ao município no projeto, os demais recursos serão todos bancados pelo governo federal com recursos da Caixa Econômica Federal.
 
Durante a votação que ocorreu em Sessão Extraordinária na tarde desta sexta feira, o Vereador Irineu reclamou das criticas feitas pelo prefeito Jean Mendonça na noite anterior, ao afirmar que os recursos para construção das casas nunca foram perdidos e que havia muita falácia sobre o projeto.
 Irineu resgatou em seus arquivos, um documento assinado pela Vice- Prefeita Ana Bastos, onde informava que o prazo para iniciar as obras havia esgotado em 30 de outubro de 2013. Irineu disse que mesmo sabendo  que o município havia perdido o prazo para garantir os recursos e a construção das 100 unidades habitacionais, como vereador e morador do Bairro Bela Vista  ele nunca desistiu de lutar pela construção das casas. As 100 unidades habitacionais atenderá diretamente cerca de 400 pessoas, além de melhorar a infraestrutura do Bairro Bela Vista.
Durante sua intervenção, o vereador exibiu copias de documentos enviados e recebidos dos gabinetes dos deputados Padre Ton, Anselmo de Jesus e Moreira Mendes em busca de apoio para resgatar os recursos e dar sequencia ao projeto que arrasta desde 2012 na prefeitura municipal.  
Os vereadores aprovaram a doação dos terrenos por unanimidade. A  Lei aprovada ontem tem prazo de validade. Caso as obras não tenha início em  180 dias, a autorização para doação perde a validade e os terrenos automaticamente retornam para o município.  Alguns vereadores descrentes com a agilidade da prefeitura, chegaram  sugerir que o prazo fosse ampliado por mais tempo, todavia, concordaram que se for necessário o prefeito pode enviar outro projeto de lei solicitando nova autorização. Ananias Pereira teme que a burocracia emperre o inicio das obras dentro do prazo.
A preocupação da Câmara agora é garantir que as pessoas selecionadas e que moram nas áreas alagadas de Pimenta Bueno não sejam substituídas de ultima hora por outras. Irineu mais uma vez lembrou que o projeto da construção das casas é integrado com outro que prevê a recuperação de matas ciliares às margens do rio Barão de Melgaço nas áreas de enchentes.